quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Convite pra dança

Chega junto e me chama pra dança. Sente meu perfume atrás da orelha e minha pele fria. Quero sentir suas mãos em minhas costas nuas. Coloca um samba pra dois, um som de zabumba ou mesmo a voz rouca do Howlin' Wolf. Hoje eu fico descalça até chegarmos na cama. Sussurre como se todos ouvissem e diga que quer me ver suar. Deixe sua cerveja num canto e meu vinho no outro. A cada giro a gente faz um revezamento. E me gire. Devagarinho ou mais animado, não importa. Só quero que deixe nossos corpos bem colados e agarre minha cintura como se eu fosse cair no chão. A música seguinte sempre é a melhor. Então não se preocupe com o que virá. A noite é uma criança levada e vai nos fazer dançar. Não perca o ritmo e beije minha nuca na dança. Soma tua pele com a minha e desliza esse toque pelo meu corpo. Olhe em meus olhos que assim você não se cansa e dance comigo até o mundo acabar – talvez ele acabe na cama.


sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Não precisa ser para sempre, só por mais um café

Fique comigo essa noite. E por tantas outras que eu terei vontade. Podem ser consecutivas – você sabe que sempre tenho pressa. Por isso tomo café. Posso passar mais um? A gente pode tomar todos os cafés do mundo, fique até o último, por favor. Fique só até cem mil cafunés. Aproveita e se ajeite. Se aconchegue e sinta-se em casa para recebê-los. Pensando bem, você parece minha casa. Fique comigo só até tudo isso acabar e quando estiver terminando eu arranjo outros motivos para você ficar.
Fique comigo até minha febre esfriar, vou aproveitar para me sentir uma criança dengosa. Fique pra fazer a piada do pavê e a barriguinha de chope aumentar. Fique até meus cabelos perderem a cor e sua calvície chegar. Fique até as férias do último verão. Fique até a moda e a banda passar. Fique até o último pôr do sol – e eu arrastarei a cadeira, como me ensinou o Pequeno Príncipe.
Fique até a primavera acabar - e dessa vez, sem pressa, ainda esperaremos essa mesma estação. Fique até povoarmos Marte. Fique até a chuva passar e outro sol se manifestar. Fique só até depois de amanhã e eu direi isso todos os dias. Fique para me ver dormir e me ver acordar. Fique até o meu time ganhar e a lista de espera terminar. Fique até o mundo der certo e o Japão virar um deserto. E te garanto que até lá já terei mais cafés.

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Pode levar (ou ficar)!

Talvez seja assim mesmo que as coisas terminam. Vou levar um pedacinho de você comigo. Fica com um pouco de mim também. Podemos dividir. Você fica com meu suspiro e meu abraço. Eu fico com a lembrança de teu beijo em minhas costas. Pode ficar com o faqueiro de prata e o álbum de fotos. Eu fico com o cachorro e as cortinas que escolhemos juntos. Fico sem medo com os discos que lembram você e vou ouvir todos os dias - só que vou beber coisas diferentes, depois eu vejo o resultado dessa embriaguez. Leva aquela discussão por causa da vizinha e deixa o nosso amasso embaixo da escada. Leva esse despertador que eu já não aguento mais e também essa lista de dieta da geladeira. Deixa todos os queijos e a fritadeira. Deixa ou leva a saudade, tanto faz.

Fico com os cafunés que você me fez enquanto dormia no sofá – nunca termino o filme - e eu deixo você levar o toque de minhas mãos na sua cintura. Mas não abro mão da cafeteira e do calendário permanente – foi nele que contei os 527 dias que ficamos juntos. Deixa a tua vontade de me mostrar o mundo e leva o meu desejo de descobrir o teu mundo todos os dias. Fica com meu sorriso e deixa o seu, uma boa troca. Leva seu tio chato e a uva passa do Natal. Leva o dia de pagar o condomínio, porque eu sempre esqueço e deixa a sexta-feira à noite. Fico com o nascer do sol e deixo o adormecer dele só para você. Me deixa o domingo ensolarado e fica com a beleza de um dia frio embaixo das cobertas. Eu fico com o café e com o silêncio – eles sempre foram nossos cúmplices. Pensando bem, deixa a vontade de ficar e fica. Pode ficar.